Blog Toques & Dicas da eNT www.nadiatimm.com

Blog Toques & Dicas, seção da Revista Eletrônica Nádia Timm - eNT

31.7.05

Feira do Empreendedor

O Sebrae em Goiás realiza, de 1º a 4/9, no Centro de Convenções de Goiânia, a Feira do Empreendedor 2005. A participação em toda a programação é gratuita e você pode fazer sua inscrição agora, acessando http://www.sebraego.com.br/site.do?idArtigo=828

A programação prevê cursos de gastronomia e culinária, palestras gerenciais e motivacionais, oficinas de “como fazer”, bem como consultorias gerenciais e tecnológicas.

A intenção é deixar o empreendedor informado sobre todos os passos necessários para formalizar seu negócio, impostos e taxas incidentes, linhas de crédito disponíveis no mercado financeiro, normas técnicas e processos tecnológicos.

Também é um terreno fértil para jovens em início de carreira e recém-formados e investidores em busca de novas oportunidades, interessados na complementação da renda familiar e pessoas decididas a mudar de profissão.

A Feira tem na figura do futuro empreendedor seu principal cliente, mas busca, também, o empresário que deseja ampliar seus negócios, melhorar a qualidade, a produtividade e a rentabilidade de sua empresa.



INSCRIÇÕES GRATUITAS: http://www.sebraego.com.br/site.do?idArtigo=828

29.7.05

Editais da Funarte

Estão abertas as incrições para ocupação da Sala Funarte

Cássia Eller e Teatro Plínio Marcos para o segundo semestre de 2005.

O período de inscrição prossegue até 15 de agosto, de segunda a

sexta-feira, de 9h às 18h.



Os projetos deverão ser encaminhados em um original e uma cópia em

preto e branco à Coordenação de Difusão Cultural da Funarte em Brasília,

no Eixo Monumental, Setor de Divulgação Cultural lote 02, Brasília/DF,

CEP 70.070-350. Projetos enviados pelos correios só serão aceitos

com data de postagem até a data de término das inscrições.



No caso de pessoa física, é necessário levar cópias da carteira de

identidade e CPF, currículo do responsável e cópia do comprovante

de residência. Para pessoa jurídica, o procedimento exige cópias do

contrato social ou estatuto e ata de eleição da diretoria da sociedade,

cartão do CNPJ, cédula de identidade e CPF do representante legal,

além de procuração do artista ou grupo reconhecida em cartório, se

for o caso credenciando a empresa/produtora a representá-lo junto

a Funarte nesta seleção.



O período de ocupação vai de 1º de setembro a 31 de dezembro de 2005.

De quarta a domingo das 9h às 24h, para espetáculos adultos. De sábado

e domingo das 9h às 19h, para espetáculos infantis. De quarta a domingo

para outras atividades propostas pelas companhias em horários combinados

com a Coordenação.



As fichas de inscrição, fornecidas pela Funarte, deverão ser preenchidas

com o nome do espetáculo e ficha técnica devidamente datada e assinada,

com as opções de duas datas pretendidas para apresentação do evento,

dias da semana e horários para as apresentações.



As propostas serão julgadas por uma comissão de seleção formada por seis

convidados de notório conhecimento sendo três da área de música e três

das artes cênicas, supervisionadas pelo Coordenador de Difusão Cultural

da Funarte Brasília. Esta Comissão julgará o mérito cultural e o valor artístico

das propostas e a Funarte procederá na adequação das mesmas à pauta,

conforme disponibilidade.O resultado com os nomes dos contemplados será

divulgados até o fim do mês de agosto.



Os editais estão disponíveis na Funarte Brasília ou no site da instituição: www.funarte.gov.br.



Maiores informações na Gerência de Promoção

e/ou pelo telefone (61)3226-9228 ou via e-mail para:

geprombrc@funarte.gov.br.

28.7.05

PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL

O Prêmio Professores do Brasil tem sua primeira edição em 2005 com o objetivo de valorizar o empenho dos professores brasileiros que atuam na educação infantil e no ensino fundamental.

O concurso é fruto da união entre duas importantes e tradicionais premiações do Brasil: o Prêmio Incentivo à Educação Fundamental, promovido pela Fundação Bunge há 10 anos, e o Prêmio Qualidade na Educação Infantil, oferecido pela Fundação Orsa há 6 anos.


Ambas as instituições, em parceria com o Ministério da Educação, somam potencialidades e experiências para premiar 20 professores de todo o País: dez da educação infantil edez do ensino fundamental. A união vem fortalecer a rede de professores que acreditam na educação e que contribuem de forma inovadora para o seu desenvolvimento.

Os vencedores serão contemplados com o prêmio cinco mil reais e receberão, além de um diploma, um troféu criado especialmente para a ocasião pela artista plástica Maria Bonomi.
No dia 23 de novembro, os ganhadores viajarão à Brasília, sem custos, para a solenidade de entrega do prêmio.


A Fundação Bunge e a Fundação Orsa, juntamente com o Ministério da Educação, promoverão o I Seminário Professores do Brasil, em 22 de novembro. O evento tem como objetivo permitir a troca de experiências entre os educadores premiados e professores da rede pública de ensino do Distrito Federal.

As inscrições podem ser feitas até o dia 12 de agosto nas Secretarias de Educação Estaduais ou nas UNDIMEs (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação).Estas se responsabilizam pela pré-seleção dos melhores projetos e pelo encaminhamento destes ao Ministério da Educação, onde uma comissão nacional, formada por integrantes do ministério e especialistas na área da educação, seleciona os 20 premiados.


Para conhecer o regulamento e obter mais informações sobre o Prêmio Professores do Brasil, acesse os sites:

www.fundacaobunge.org.br
www.fundacaoorsa.org.br
www.mec.gov.br

A Fundação Bunge
Criada em 1955, a Fundação Bunge, braço social das empresas Bunge no Brasil, tem suas atividades focadas na área da educação, com ênfase no ensino fundamental.

Valoriza o conhecimento, incentiva o voluntariado e promove ações educativas e de preservação da memória empresarial. Dentre as iniciativas realizadas, destacam-se o programa de voluntariado corporativo Comunidade Educativa, o Centro de Memória Bunge, o Prêmio Fundação Bunge e o Prêmio Professores do Brasil, além do ReciCriar – A Pedagogia do Possível.

25.7.05

5ª Goiânia Mostra Curtas

A 5ª Goiânia Mostra Curtas, festival de cinema nacional em curta-metragem, permanece com inscrições abertas até o dia 26 de agosto. Como nos anos anteriores, a curadoria pretende reunir filmes e vídeos produzidos em todos os Estados brasileiros, com o objetivo de exibir a diversidade cultural do País, registrada na linguagem audiovisual.

O evento está programado entre 11 e 16 de outubro, no Teatro Goiânia, em Goiânia/GO, e é uma realização do Icumam (Instituto de Cultura e Meio Ambiente), apoiado pela Lei Rouanet e Lei Goyazes de Incentivo à Cultura, com o patrocínio da Petrobrás.

As inscrições estão sendo feitas pelo website www.goianiamostracurtas.com.br. Conforme o regulamento do festival, a curadoria selecionará filmes e vídeos de até 30 minutos de duração, produzidos em 2004 e 2005 e finalizado em 35mm, 16mm e Betacam.

As obras inscritas não deverão ter participado de edições anteriores da GMC. A lista de filmes e vídeos selecionados será divulgada pelo Icumam até o dia 12 de setembro. A curadoria da mostra competitiva é de Maria Abdalla, coordenadora geral do evento.

De acordo com Abdalla, a expectativa é selecionar e convidar 120 filmes e vídeos para as mostras competitivas (categorias Brasil, Municípios e Goiás) e não-competitivas (Animação, Cultura Popular, 4ª Mostrinha, Bairros).

“A abrangência da programação depende das parcerias que estamos construindo ao longo do processo de produção do festival”, ressalta a coordenadora geral. Os prêmios que deverão ser concedidos aos melhores curtas e melhores diretores, segundo decisão do júri oficial, são produtos e serviços oferecidos por empresas da indústria cinematográfica que apóiam o festival. Os premiados receberão também o Troféu Icumam.


Inscrição 5ª GMC: www.goianiamostracurtas.com.br

Contatos:
Maria Abdalla (coordenação geral) – 62 9972-7101
Beatriz Del´Arco (assistente de produção) – 62 218-3780

24.7.05

Brasília, capital da música clássica

O Distrito Federal dá boas vindas à música clássica. A primeira edição do Festival Internacional de Inverno de Brasília – Música Viva dará o tom com 40 concertos totalmente de graça, em Brasília e Taguatinga, durante duas semanas.

A abertura será realizada neste domingo (24), às 20h, na Sala Martins Penna do Teatro Nacional. Organizado pela Universidade de Brasília (UnB), o encontro reunirá centenas de músicos do país e do exterior e milhares de espectadores de todas as idades. A programação inclui oficinas – algumas com inscrições ainda abertas – e espetáculos (a programação completa está no site www.fib2005.unb.br). O festival, orçado em pouco mais de R$ 600 mil, é realizado sob a batuta dos professores do Departamento de Música (MUS) da UnB Beatriz Salles, Ricardo Dourado Freire e Glessi Collet.

Durante 15 dias seguidos, de 24 de julho a 7 de agosto, as salas do Teatro Nacional recebem músicos brasileiros e estrangeiros que se apresentarão em horários nobres. Os brasilienses terão a oportunidade de apreciar recitais de piano, violino e violoncelo, ou mesmo de instrumentos menos conhecidos pelo grande público, como o fagote.

O programa abarca desde solos intimistas a apresentações de orquestra, composta por 107 integrantes. Outro local que recebe espetáculos é o Teatro do Sesi em Taguatinga, onde a programação segue de 25 de julho a 5 de agosto. Em todos os locais de espetáculo, o interessado deve chegar cedo, pois não haverá distribuição de senhas e as salas têm capacidade limitada.

PARA SOBREMESA – A pausa do almoço pode ficar mais interessante nos dias 25 de julho e 1º e 4 de agosto para quem estiver perto do Centro Cultural da Caixa Econômica Federal. Nessas datas, sempre às 13h, o espaço localizado no coração do Setor Bancário Sul recebe, respectivamente, o som da Camerata da UnB, do Quinteto de Sopro do Festival e do Quarteto de Cordas.

Já aqueles que optam por jantar em shoppings também serão beneficiados. Grupos de metais e choro farão duas apresentações no Terraço Shopping nos dias 30 (20h) e 31 de julho (18h30). “Nosso objetivo é levar a música ao alcance de todos. A expectativa é que as parcerias aumentem nos próximos anos”, afirma a organizadora geral, Beatriz Salles.

Uma das preocupações da comissão organizadora é estabelecer laços com a comunidade musical. Além de criar público e educar ouvidos, o festival de música também busca incentivar o desenvolvimento dos músicos, por meio de oficinas com professores nacionais e estrangeiros, convidados a vir ao país especialmente para a ocasião. Os cursos serão realizados no Departamento de Música da UnB e dividem-se de acordo com o instrumento e não ficaram restritos apenas aos alunos de Brasília.

Ao todo, 450 vagas foram oferecidas em audições realizadas em Brasília, Goiânia, São Paulo e Rio de Janeiro, ampliando o acesso a jovens músicos de todo o Brasil. Aqueles que foram aprovados pelas comissões julgadoras receberão hospedagem, alimentação e transporte dentro da cidade em Brasília durante o período de realização das aulas. Os 400 já selecionados pagaram uma quantia simbólica de R$ 30, que servirão para a confecção dos certificados.

ROTINA INTENSA – As aulas de imersão exigem disciplina para acompanhar a rotina intensa, que inclui sete horas de estudos diários, de segunda a sábado, entre os dias 25 de julho e 7 de agosto. Há lições das 9h às 12h30 e das 14h30 às 18h no MUS. À noite, os pupilos podem mostrar publicamente o que aprenderam naquele dia, em pequenas apresentações no auditório do MUS. Ao final do festival, eles participarão de espetáculos especiais.

Além dos cursos de piano e violão clássicos, três outras oficinas estão com inscrições abertas. O preço é o mesmo: R$ 30,00. As inscrições devem ser feitas no site do Festival, no endereço www.fib2005.com.br. Confira:

CHORO – Há 50 vagas somente para quem já toca. As classes acontecem entre 25 e 30 de agosto. Concentram-se no horário da tarde, mas também há atendimentos pela manhã. A contribuição do festival para o chorinho vai além das aulas práticas com instrumentos. “Queremos catalizar esforços para que sejam discutidos os caminhos do choro em Brasília”, afirma o professor Ricardo Freire.

Para isso, vêm à cidade alguns músicos de renome nacional para participar das aulas e promover workshops. O músico Joel Nascimento, representante da velha guarda carioca, falará sobre a história do choro, buscando destacar sua origem erudita. Fernando César, por sua vez, falará sobre as rodas de choro e as relações com outros ritmos. Da nova geração musical brasileira, Eduardo Neves colocará em debate as múltiplas facetas do chorinho com a autoridade de quem se apresenta constantemente com sambistas do peso de Zeca Pagodinho.

INICIAÇÃO MUSICAL – Os pequenos músicos também foram lembrados pelo Festival da UnB. No total, 140 crianças com idades de sete a 12 anos poderão participar das atividades desenvolvidas pelos professores integrantes da equipe do Festival. A faixa etária varia de acordo com a oficina. Há módulos de flauta transversal, piano e violino. Também há aulas de coral infanto-juvenil para meninos e meninas de sete a 16 anos. Apesar do título, esse curso também está voltado àqueles que já possuem contato com o mundo da música.

CANTO PARA ADULTOS – A Academia Vocal foi concebida em dois módulos: Canto Lírico (30 vagas para participantes e 30 para ouvintes) e Musicais da Broadway (15 para participantes e 30 para ouvintes). A primeira opção tem aulas durante o dia de 25 de julho a 6 de agosto. A segunda vai de 1º a 4 de agosto. A intenção é contemplar estudantes de canto e intérpretes vocais que queiram aprofundar os conhecimentos já adquiridos nas áreas de ópera, música de câmara, música brasileira, música contemporânea e musicais. Nas aulas, os selecionados poderão desenvolver as aptidões artísticas, atualizando técnica e performance.

GRANDES NOMES – A organização do Festival Internacional de Inverno de Brasília traz a cidade alguns nomes já consagrados no cenário internacional da música. O violonista israelense Nachum Erlich, por exemplo, é uma virtuose no instrumento, que também já assinou a regência de alguns espetáculos. O músico tem predileção por pesquisas e interpretações de peças raras e desconhecidas.

A romena Ileana Cotrubas é um dos grandes nomes do canto lírico internacional, já tendo passado por importantes teatros, como o Scala de Milão, a Ópera de Paris e o Metropolitan House de Nova York. Seu currículo inclui participações em clássicos como La Traviata, Figaro e Carmen. Longe dos palcos desde 1990, dedica-se atualmente a projetos educacionais de jovens talentos.

O brasileiro Joel Nascimento iniciou os estudos de bandolim em 1969. De lá para cá, já se apresentou nas principais salas de concertos do país, como a Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra do Teatro Municipal do Rio de Janeiro e Orquestra Sinfônica de Porto Alegre. Sua carreira internacional começou ainda em 1982, em Nova York, no Lincoln Center.

O som produzido pela clarineta do austríaco Alois Brandhofer despontou para o mundo após sua participação no Concurso Internacional de Genebra, em 1976. Entre 1986 e 1992, integrou a Filarmônica de Berlim. O músico já realizou inúmeras turnês pela Europa e em vários continentes.

SERVIÇO
O Festival Internacional de Inverno de Brasília, organizado pelo departamento de Música da UnB, acontece entre os dias 24 de julho e 7 de agosto. A abertura será realizada no domingo (24), às 20h, na Sala Martins Penna do Teatro Nacional, com apresentação da Orquestra de Cordas da UnB. Todos os espetáculos são abertos e gratuitos para a população. As oficinas de violão, piano, choro e coral infanto-juvenil ainda estão recebendo inscrições pelo site www.fic2005.unb.br.

CONTATO
Professores do Departamento de Música da UnB Beatriz Salles e Ricardo Dourado Freire, organizadores do festival, pelos telefones (61) 3307 2335 e 3307 2337

21.7.05

Prêmio Nacional de Pré-fabricados

A Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) e a Associação Brasileira da Construção Industrializada em Concreto (ABCIC) anunciaram os nomes dos vencedores do 3º Prêmio Nacional de Pré-fabricados de Concreto para estudantes de arquitetura.

A entrega aconteceu, no Palácio das Indústrias (antiga sede da Prefeitura de São Paulo), durante o Encontro Nacional de Estudantes de Arquitetura (ENEA.

Já na terceira edição, o prêmio tem como objetivo disseminar a cultura do sistema pré-fabricado de concreto, segmento que movimenta cerca de 4 bilhões ao ano.

O estudante da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), Pablo Iglesias ganhou sozinho os R$ 8 mil referentes ao primeiro lugar. Ele planejou um projeto habitacional para uma favela da Orla de Santos, que restabelece o intercâmbio entre o homem e a água, prevendo toda infra-estrutura básica para resgatar a integridade local em harmonia com o meio ambiente.

A segunda colocação ficou com os estudantes Pablo Gomes de Alvarenga e Pedro Mollan Saito, que ganharam R$ 5 mil, com um projeto habitacional. Os terceiros colocados - Dalton Bertini Ruas e Tomas Bolognani Martins --, ganharam R$ 2 mil com um projeto educacional. Assim como o primeiro colocado, os segundos e os terceiros são estudantes da FAU/USP.

Alunos da Fundação Mineira de Educação e Cultura (FEA/FUMEC), da Universidade Federal do Paraná e do Centro Universitário de Belas Artes de São Paulo, também tiveram seus projetos reconhecidos por menções honrosas.

De acordo com o consultor do Prêmio, o arquiteto Edison Elito, o júri - formado pelos arquitetos Décio Tozzi, Francisco de Assis Couto dos Reis, João Edmundo Bohn Neto, Mário Biselli e Romeu Duarte Júnior - concluiu que os trabalhos da terceira edição do prêmio apresentaram um nível técnico satisfatório, levaram em consideração problemas espaciais reais e usaram adequadamente o sistema pré-fabricado de concreto.

Ao todo concorreram ao 3º Prêmio de Pré-fabricados de concreto 54 trabalhos de todo o Brasil.
Segundo o gerente do projeto Indústria da ABCP, Laércio Gil, a maioria dos trabalhos focaram soluções habitacionais. “Esse prêmio mostrou que a preocupação com a moradia digna começa por um bom projeto e que ele pode ser feito com tecnologia avançada e soluções pré-fabricadas de concreto. Além disso, o nível técnico e a amplitude geográfica dos trabalhos têm aumentado a cada ano. Esses profissionais estão prontos para o mercado”, conclui.

O presidente do IAB/SP, Paulo Sophia, aproveitou a cerimônia para agradecer a participação e o crédito que os participantes tiveram no prêmio, que este ano foi entregue em um evento da categoria. “Nada melhor que prestigiar um estudante de arquitetura num evento feito por eles mesmos”, disse.

No final do evento, o presidente da ABCIC, Paulo Cordeiro, juntamente com o gerente de Comunicação da ABCP, Hugo Rodrigues, comunicaram que as inscrições para o 4º Prêmio Nacional de Pré-fabricados de Concreto poderão ser feitar a partir de agosto, nos sites www.abcic.org.br, www.abcp.org.br ou www.iabsp.org.br.

20.7.05

O que há em comum entre Picasso e Einstein?

Os paralelos entre Einstein e Picasso, dois gênios do século 20, são analisados pelo pesquisador do British College de Londres, Arthur I. Miller, em evento promovido pelo Instituto de Física Teórica da UNESP, Editora da UNESP, British Council e Livraria Cultura (Shopping Villa-Lobos), que acontece na próxima segunda-feira, 25 de julho, em São Paulo.

O cientista mais importante do século XX, Albert Einstein, e seu mais importante artista, Pablo Picasso, atravessaram seus maiores períodos de criatividade praticamente ao mesmo tempo e em circunstâncias notavelmente similares. O físico e historiador da ciência inglês Arthur I. Miller irá discutir neste encontro como ambos realizaram seus maiores momentos de ruptura: a Teoria da relatividade de Einstein, em 1905 e o quadro As demoiselles d‘Avignon, de Picasso, em 1907.

Quando produziram esses surpreendentes trabalhos, Einstein e Picasso não eram ainda as figuras notáveis que mais tarde tornaram-se tão familiares; eles estavam na faixa dos vinte anos, eram desconhecidos, pouco valorizados, pobres, e propensos a meter-se em confusões – sua beleza pessoal e criativa causava uma certa devastação.

Este será o cerne da discussão deste encontro, que será mediado pelo editor executivo da Editora UNESP, Jézio Gutierre, mestre e doutor em Filosofia pela University of Cambridge e pela Unicamp. A palestra será em inglês, com tradução simultânea. Não é preciso reservar lugares e a entrada é gratuita.

Quem é Arthur I. Miller
O Professor Arthur I. Miller obteve sua graduação em Física no City College de Nova York e seu doutorado no MIT (Massachusetts Institute of Technology). Lecionou e escreveu extensamente sobre a História e Filosofia da Ciência e Tecnologia dos séculos XIX e XX, ciência cognitiva, criatividade científica e a relação entre ciência e arte.

Membro da American Physical Society, Membro Correspondente da Académie Internationale d’Histoire des Sciences e membro da International Academy of the History of Science. Atualmente leciona no University College de Londres.

Foi editor associado do American Journal of Physics e recebeu bolsas e apoios da John Simon Guggenheim Memorial Foundation, American Philosophical Society, American Council of Learned Societies, National Endowment for the Humanities, National Science Foundation, Centre National de la Recherche Scientifique e da Fritz Thyssen Stiftung.

Entre suas atividades acadêmicas e administrativas, foi professor visitante da École Pratique des Hautes Études, Paris; vice-presidente e posteriormente presidente da American Physical Society (1983-1985). É atualmente diretor da International History of Physics School no Ettore Majorana Centre for Scientific Culture, em Erice, Sicília.


Tema: Picasso e Einstein - um paralelo entre a arte e a física
Local: Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos - Av. Nações Unidas, 4777 - São Paulo/SP
Quando: Segunda-feira, dia 25 de julho às 19h30
Entrada gratuita

18.7.05

III Festival Yamaha de Clavinova incentiva e premia músicos

A Yamaha Musical do Brasil está promovendo o III Festival Yamaha de Clavinova. As inscrições se encerram em 10 de outubro.

Os participantes se dividirão em Infanto-Juvenil, entre 7 a 17 anos, e Adulto, maiores de 18. As fichas de inscrição estão no site da Yamaha (www.yamahamusical.com.br), em lojas de instrumentos musicais e em pontos de demonstração de Clavinova.


Os músicos devem gravar uma fita cassete ou CD com um tema de escolha pessoal executado em uma Clavinova, teclado ou piano. A ficha de inscrição, a gravação, cópia do RG ou Certidão de Nascimento devem ser enviados para a Yamaha Musical do Brasil LTDA., Av. Rebouças, 2636 – Pinheiros – São Paulo – SP, CEP 05402-400.

A Clavinova disponível para a realização do festival é o modelo CVP 305. O arranjo será um critério de avaliação, no qual será observada a habilidade harmônica e melódica do executante.

Outro critério é a interpretação, onde serão avaliadas as expressões musicais, a técnica e a precisão - observando o equilíbrio rítmico e dinâmico. Também serão analisados o domínio dos comandos da Clavinova e a utilização correta e completa dos recursos eletrônicos do instrumento.

Todos os participantes receberão certificados de participação e brindes Yamaha. O quarto e o quinto colocado receberão medalhas de participação.Os três primeiros colocados serão premiados com instrumentos Yamaha e troféus.



YAMAHA MUSICAL DO BRASIL

No Brasil, a Yamaha Musical está presente desde 1973. O processo foi iniciado com a Fundação Yamaha e, desde então, foi formada a empresa que atua como central de vendas de produtos para lojas de instrumentos musicais.



Líder do mercado nacional, a subsidiária brasileira não foge dos padrões mundiais da marca. A empresa mantém o Curso de Formação de Professores para Educação Musical Infantil por meio da Flauta Doce, sendo uma das únicas companhias do setor a investir na educação musical. Também ministra cursos de atualização em tecnologia musical para funcionários de lojas credenciadas.



Anualmente, a Yamaha promove o Festival de Clavinova, que tem como objetivo descobrir novos e talentosos tecladistas. Realiza, ainda, o Festival de Flauta Doce reunindo professores e alunos das escolas apoiadas pela empresa e o Yamaha All Stars, um show beneficente reunindo os artistas patrocinados pela marca.

16.7.05

A linguagem dos sinos é cultura brasileira

Em Minas Gerais, o trabalho dos sineiros é uma prova da riqueza do patrimônio imaterial que se esconde em meio a igrejas e casarões tombados. Para ajudar a preservar esta tradição, o Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana - Fórum das Artes 2005, promovido pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), com apoio das prefeituras das duas cidades, promove no dia 17 de julho (domingo)o encontro "Fala Sineiro".

Durante o evento, vão ser apresentadas imagens que fazem parte do Inventário Nacional de Referências Culturais feito pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) em parceria com o Santa Rosa Bureau Cultural para registrar a linguagem dos sinos como Patrimônio Imaterial Brasileiro.

Participarão do encontro sineiros de cinco regiões mineiras, que vão discutir o toque e a linguagem dos sinos de cidades como Ouro Preto, Mariana, Catas Altas, São João Del Rei e Diamantina.

A linguagem dos sinos é inseparável da música. Eles possuem acordes completos, de acordo com as leis da harmonia. Mas a contribuição mais importante da música para a arte dos dobrados e repiques é o ritmo. Por meio dele é que o sineiro articula o toque mensageiro dos seus companheiros constantes: a garrida (sino pequeno), o meião (sino médio) e o bronze (sino grande). Essa trindade se repete pelas torres históricas mineiras e já ditou a vida do seu povo.

Em Ouro Preto, muitos sinos têm nome e história. Os nomes são sempre bíblicos: Jerônimo (sino principal da Matriz do Pilar), Elias (sino principal da Igreja do Carmo e o maior da região), entre outros.

14.7.05

Bienal do Mercosul seleciona monitores

De 18 de julho a 5 de agosto, os estudantes universitários interessados em trabalhar como mediadores na 5ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul poderão fazer sua inscrição para o Curso de Formação de Mediadores, que inicia em agosto.

Serão oferecidas 300 vagas para estudantes oriundos de diferentes cursos universitários (sem limitações), que estejam cursando a partir do terceiro semestre. Através de critérios de seleção, 175 estudantes serão escolhidos para a segunda etapa do curso, com início em setembro.

O curso terá a participação efetiva do curador-geral da 5ª Bienal do Mercosul, Paulo Sergio Duarte, além de professores e críticos de arte especialmente convidados para abordar os temas desta quinta edição.



Mais informações no site www.bienalmercosul.art.br

9.7.05

Fórum debaterá políticas culturais da América Latina

Estratégias de Integração Cultural da América Latina e o Caribe, e apoio à aprovação da Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais, serão os temas que serão debatidos no 14º Fórum de Ministros e Encarregados de Políticas Culturais da América Latina e o Caribe, que se realizará em Caracas de 27 a 29 de setembro, com a participação de representantes de 33 países.

A temática do encontro internacional foi aprovada durante a primeira reunião preparatória da Secretaria Pro Tempore, realizada no Conselho Nacional da Cultura (Conac), onde foi feita a transferência oficial da presidência do Fórum por parte da República do Equador à República Bolivariana da Venezuela.

O ministro da Cultura, Francisco Sesto Novás, expressou seu desejo de que este evento se converta em um encontro com êxito, em que as autoridades da cultura possam dialogar e discutir com sinceridade os problemas da região, assim como da integração e das mudanças que estão acontecendo nestes países irmãos. "Vamos conseguir o fórum mais autêntico, sensível, profundo e útil", enfatizou.

Entre outros pontos da agenda foi apresentado o portal de Cultura da América Latina e do Caribe (www.lacult.org). Também foi aprovada a inclusão da discussão do fortalecimento desta reunião internacional, acrescentar a um representante da Unesco como membro do fórum e foi definida a lista dos convidados especiais.

Da reunião preparatória participaram o vice-ministro de Cultura para o Desenvolvimento Humano, Héctor Soto, a presidente do Conac, Silvia Díaz Alvarado, o diretor de Relações Internacionais deste organismo, Alberto Murillo e delegados do Equador, República Dominicana, Cuba e o Escritório Regional de Cultura para América Latina e o Caribe da Unesco.

7.7.05

PRÊMIO GOIÁS DE GESTÃO AMBIENTAL

As inscrições para o Prêmio Goiás de Gestão Ambiental terminam no próximo dia 15 de julho. O Prêmio tem o objetivo de reconhecer, premiar e divulgar as iniciativas e realizações de empresas e pessoas físicas que mais se destacaram em iniciativas a favor do meio ambiente ao longo de 2004 e ações que assegurem o desenvolvimento sustentável.

O prêmio contempla sete categorias distintas: gerenciamento de resíduos sólidos urbanos, atividade industrial com uma sub-divisão para atividade industrial de grande, médio e pequeno porte e micro empresa, comércio e prestação de serviços, atividades agrosilvipastoris, educação ambiental (abrangendo indústrias, comércio e prestação de serviços, pessoa física, ONG e instituições de ensino), comunicação ambiental e ecoturismo.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 15 de julho, pessoalmente ou via carta, endereçada para a Semarh. O endereço é Avenida 82, s/nº, 1º andar – Palácio Pedro Ludovico Teixeira, Setor Central. Mais informações podem ser obtidas pelos fones 201-5158 e 201-5159, ou nos sites www.semarh.goias.gov.br, www.agenciambiental.go.gov.br ou www.fieg.org.br. No momento da inscrição, deve ser apresentada a ficha devidamente preenchida, com a categoria de escolha e o projeto, conforme regulamento do prêmio.

O Prêmio Goiás de Gestão Ambiental é promovido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), em parceria com os sistemas Fieg, Faeg e Sebrae, Agência Goiana do Meio Ambiente (AGMA) e secretarias estaduais de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seagro) e de Indústria e Comércio (SIC).

2.7.05

LIBERDADE DE IMPRENSA? Jornalista é demitido por matéria sobre trabalho escravo

Leonardo Sakamoto

O editor do Jornal do Commercio, Cícero Belmar, perdeu o emprego por ter autorizado a publicação de uma reportagem sobre trabalho escravo. A fazenda citada no texto é de Eduardo de Queiroz Monteiro, amigo pessoal do dono do Jornal do Commercio e proprietário da Folha de Pernambuco.

Cícero Belmar o editor-executivo do Jornal do Commercio (JC), de Pernambuco, por ter autorizado a publicação de matéria sobre a libertação de 1.200 trabalhadores pelo governo federal na Destilaria Gameleira (leia matéria “1.200 escravos são libertados em usina no Mato Grosso”).

O JC – cujo proprietário, João Carlos Paes Mendonça, é amigo pessoal de Eduardo de Queiroz Monteiro, da Gameleira e da Folha de Pernambuco – foi o único dos jornais do estado a veicular a libertação dos trabalhadores, o que teria “estremecido” a relação de ambos os donos de mídia.

A notícia, contrária aos interesses de Monteiro, foi considerada como uma campanha para denegrir as suas empresas e seu jornal. De acordo com Belmar, a forma encontrada para reatar a relação de amizade dos dois foi demitindo-o.

O ex-editor-executivo autorizou a publicação de matéria da Agência Globo, da qual o JC é assinante de conteúdo, na sexta-feira passada (17). Solicitou que a versão de Eduardo de Queiroz Monteiro fosse checada. Porém, apesar das várias tentativas, não houve retorno.

O JC não foi o único que ficou esperando uma resposta – o que aconteceu também com outros veículos de circulação nacional que deram destaque à notícia, como a revista Época e o jornal O Globo. “Agimos com toda a ética, como manda o mais simples manual de jornalismo”, afirma Belmar.

A repercussão negativa veio logo em seguida. O proprietário da Gameleira estampou um editorial (“Destilaria Gameleira – a anatomia de uma injustiça”), ocupando boa parte da capa da Folha de Pernambuco no dia 20.

No texto, defende a usina de álcool e os empregos por ela gerados, nega que tenha utilizado trabalho escravo e critica o Ministério do Trabalho e Emprego, que não cassaria empregos ao invés de criá-los. Reclama que a empresa não foi ouvida e chama os veículos que deram noticiaram a libertação de “mau jornalismo”. A demissão veio no dia seguinte.

Belmar, que também é escritor, tem recebido manifestações de apoio da sociedade civil e de entidades da defesa da liberdade de imprensa. “Eu poderia ter ficado extremamente angustiado se tivesse saído por uma picaretagem ou por incompetência.

Fiquei no Jornal do Commercio por mais de 12 anos, ocupando o cargo de editor-executivo por cerca de 10 anos. Minha consciência está tranqüila. Fiz o que qualquer jornalista faria”, completa.