Blog Toques & Dicas da eNT www.nadiatimm.com

Blog Toques & Dicas, seção da Revista Eletrônica Nádia Timm - eNT

29.11.04

RONALDO COSTA COUTO LANÇA BIOGRAFIA DOS MATARAZZO


O pesquisador e jornalista RONALDO COSTA COUTO lança no Projeto "Sempre Um Papo", em Brasília, os livros "Matarazzo – A Travessia" e "Matarazzo – Colosso Brasileiro". Envoltos por uma luva, os livros narram a trajetória do Conde Francesco Matarazzo, entre 1881 e 1936. O evento acontece dia 01 de dezembro, quarta-feira, às 19h30, no Conjunto Cultural da Caixa.

A entrada é franca, num patrocínio da Caixa Econômica Federal, Concessionárias Fiat DF e Jornal Correio Braziliense e apoio do Mercure Apartaments Brasilia, com recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Informações: (61) 414-9452 ou sempreumpapo.com.br.

A publicação de “Matarazzo” ilumina a biografia de um dos mais importantes e instigantes personagens da história do desenvolvimento brasileiro. Ronaldo Costa Couto apresenta o conde Francesco Matarazzo em todas as suas facetas, o que torna difícil, ao falar do clã, escapar dos superlativos. Patriarca de uma família de nove filhos brasileiros e mais quatro italianos, Matarazzo construiu o maior e mais diversificado império empresarial da América Latina, tornou-se referência essencial da industrialização brasileira e da imigração italiana, símbolo de sucesso e riqueza.

A decisão de desenvolver pesquisa e livro sobre os Matarazzo surgiu em Brasília, no final de 1999, em encontro ocasional do autor com o então ministro A. Andrea Matarazzo, sobrinho-bisneto do conde Matarazzo. Consultado, ele informou que há muito considerava essencial esse registro e se dispôs a abrir caminhos para acesso aos membros de sua família, arquivos, documentos e demais fontes de informação.

Nos 55 anos de vida e trabalho no Brasil, Francesco acompanhou e participou de mudanças decisivas na sociedade e na economia. Algumas vezes foi protagonista. O país era quase exclusivamente agrário, quando ele chegou, em 1881. Importava até manteiga de leite e banha. Viveu intensamente e foi pioneiro e destaque na guerra pela industrialização. Criatividade, visão de negócios, arrojo e muito trabalho, aliados a muita sorte, levaram o pequeno comerciante italiano de Sorocaba a se tornar o maior empreendedor brasileiro do século XX.

27.11.04

Campanha do Laço Branco - Homens querem o fim da violência contra a mulher




Foi lançada dia 25 de novembro, a edição 2004 da campanha do Laço Branco – Homens pelo fim da violência contra a mulher. O lançamento ocorreu dentro do Fórum Social Nordestino.

Entre as atividades da campanha neste ano estão programadas, no Sertão Central de PE, em Serra Talhada, no dia 10 de dezembro, oficinas, assembléia e uma caminhada com a participação de representantes de prefeituras locais e da polícia. Outras ações estarão acontecendo simultaneamente no Rio de Janeiro, em Porto Alegre e no Acre.

Além das atividades, a iniciativa pretende levar a discussão da Campanha do Laço Branco para um número cada vez maior de pessoas, através de diferentes meios como rádio, televisão, outdoors e distribuição de material informativo em diferentes pontos.

A campanha do Laço Branco – Homens pelo fim da violência contra a mulher iniciou em 1991, no Canadá, após um massacre no qual foram assassinadas, em sala de aula, 14 estudantes universitárias. A iniciativa se estendeu por mais de 30 países, chegando ao Brasil em 1999, onde são desenvolvidas ações em diferentes estados, concentradas no período de novembro a janeiro de cada ano.

Mais informações pelo telefone (81) 3271-4804 ou no site www.lacobranco.org.

GUERRILHA DO ARAGUAIA (você tem noção da importância histórica desta luta?)



Uma Audiência pública da Comissão de Educação vai debater a importância histórica do maior confronto armado no Brasil, depois da segunda guerra mundial.

A Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados realiza no dia 1º de dezembro, às 11h, audiência pública que vai tratar da Guerrilha do Araguaia. De autoria da deputada federal Alice Portugal (PCdoB/BA), a audiência tem por objetivo resgatar aspectos da história do país que durante muito tempo foram ignorados ou deturpados pela historiografia oficial.

Durante a sessão, os parlamentares terão a oportunidade de assistir à demo do filme "Araguaya - Conspiração do Silêncio", baseado em extensa pesquisa empreendida pelo cineasta Ronaldo Duque.

O longa metragem, que em breve chegará ao circuito nacional, foi o primeiro a mostrar o que foi a resistência armada contra a ditadura militar, num episódio marcante de nossa história contemporânea. Antes dos debates com pesquisadores, familiares dos guerrilheiros e entidades ligadas à luta dos direitos humanos, será exibido ainda o documentário "Expedição Antígona", que mostra o trabalho da Comissão de Direitos Humanos na identificação de corpos na região que serviu de palco para a guerrilha.

Foram convidados a participar, além do cineasta Ronaldo Duque, a jornalista Myrian Alves, pesquisadora e dirigente da operação Antígona, Renato Rabelo, Presidente do PCdoB, José Genoíno, Presidente do PT e ex-guerrilheiro do Araguaia, Miquéas Gomes de Almeida (Zezinho do Araguaia), ex-guerrilheiro do Araguaia, Dr. João Luiz Duboc Pinaud, ex-Presidente da Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, o Professor Romualdo Pessoa Campos Filho, autor do livro “Guerrilha do Araguaia: a esquerda em armas”, José Edísio Simões Souto, Presidente da Comissão de Direitos Humanos do Conselho Federal da OAB, parlamentares e representantes do Tortura Nunca Mais.

Para Alice Portugal, iniciativas assim são um dever para com as novas gerações. "É preciso que os nossos jovens tenham consciência e respeitem a luta heróica travada no país contra a repressão e pela construção da democracia", afirmou. Ela acredita que o debate servirá ainda para refletir sobre a necessidade da abertura dos arquivos da repressão.

A deputada é autora do projeto que revoga integralmente o decreto de Fernando Henrique Cardoso sobre o sigilo de documentos públicos, considerado por ela uma excrescência política. O decreto promulgado pelo ex-presidente três dias antes do fim de seu mandato dobrou os prazos mínimos de sigilo obrigatório para os documentos de Estado e criou a figura do “sigilo eterno” para os documentos ultra-secretos, permitindo que fatos da história do país nunca venham a ser conhecidos.

A audiência pública será realizada no Plenário 10 do Anexo II da Câmara dos Deputados.

25.11.04

Contra o Ato Médico

Você tá sabendo que rolando uma mobilização ontra o ato médico? Contra o projeto de lei que visa tirar a autonomia de psicólogo, fonoaudiólogo, nutricionista, fisioterapeuta, enfermeiro, assistente social, educador físico e outros profissionais?

Tal projeto visa endeusar os médicos. Por exemplo, hoje em dia se uma pessoa quer se submeter a uma psicoterapia, ela pode ir diretamente ao psicólogo. Mas se o projeto for aprovado, necessariamente tal pessoa terá que consultar primeiro com um psiquiatra, para depois ele encaminhá-la a um psicólogo.. e já com indicação terapêutica.

Ou seja, o médico psiquiatra escolhe o psicólogo (seu amigo ou não) e ainda indica a terapia a ser utilizada, assim sendo o cliente perde a liberdade de escolha de terapia e psicólogo, e ainda terá que pagar um consulta a um psiquiatra.

Para fazer com que tal projeto não vá à votação deve-se conseguir 500 mil assinaturas até dia 15 de dezembro.

Se cada um de nós conseguir juntar 10 assinaturas e incentivar outras pessoas a fazerem o mesmo, estaremos mais perto das 500 mil (é óbvio), então vamos lá!


24.11.04

Direitos Humanos e Propriedade Intelectual


O Rio de Janeiro recebe convidados da Suíça, Espanha, Argentina e Chile, além do Brasil, para o Seminário Internacional de Direitos Humanos na Propriedad Intelectual, na próxima quinta-feira (25), no Palácio Gustavo Capanema.

Entre os debatedores, há representantes de sociedades de gestão
coletiva de direito autoral, juristas e o Ministério da Cultura, além do
maestro espanhol Luís Cobos. O seminário é organizado pela Socinpro
(Sociedade Brasileira de Administração e Proteção de Direitos Intelectuais).

A economia da cultura, e suas relações com os direitos humanos e a
propriedade intelectual, será debatida pelo diretor geral da Socinpro, Jorge
de Souza Costa. O papel da OMPI (Organização Mundial da Propriedade
Intelectual) na questão será tema da exposição da advogada Rosina Piñeyro,
que vem ao Brasil representando a instituição.


Informações:
www.socinpro.org.br

22.11.04

Atenção Sapateadores (...vez de divulgar os dançarinos cariocas)


O Sindicato dos profissionais da Dança do Rio de Janeiro (SPDRJ) avisa que haverá prova de sapateado será no dia 27 de novembro (sábado), às 14:30.

Loca: Centro de Artes Nós da Dança
Av. Nossa Senhora de Copacabana, 1138 (entre as ruas Sá Ferreira e Djalma Urick)

Informações no SPDRJ
(0XX21)25317541 Telefax: 22245913
Av.Presidente Vargas, 583 - salas 2206 / 2207
CENTRO/RJ (Estação Uruguaiana do Metrô)


21.11.04

Notícias de Sampa: Agenda 21 na Lapa



No dia 25 de novembro, será lançada a publicação “Responsabilidade com o Futuro”, construída no âmbito do projeto Agenda Socioambiental - Rede da Lapa. Durante o evento, aberto aos interessados, haverá uma mesa de debates sobre o processo de implantação de Agenda 21 local com a presença do secretário do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo, Adriano Diogo, do subprefeito da Lapa, Adaucto Durigan, e da diretora do 5 Elementos, Mônica Renard.

As instituições parceiras do projeto estarão representadas em estandes, e serão distribuídos exemplares da publicação aos participantes do evento.

A publicação com 24 páginas trata de importantes conceitos para o desenvolvimento de processos de Agenda 21 e sustentabilidade socioambiental, e relata a metodologia utilizada para a implantação na jurisdição da Subprefeitura Lapa.

O projeto, coordenado pelo 5 Elementos - Instituto de Educação e Pesquisa Ambiental e pela Subprefeitura é uma iniciativa pioneira de implantação de Agenda 21 em uma região da cidade de São Paulo. Constituído a partir de um grupo formado por entidades da sociedade civil, das iniciativas pública e privada e por iniciativas individuais, desde fevereiro de 2003 vêm agindo em prol da sustentabilidade ambiental da região e do fortalecimento do grupo participante.

A Agenda 21 é um documento de 40 capítulos, assinado por 179 países na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Humano - ECO-92. Possui recomendações concretas, metas, recursos e responsabilidades definidas para a substituição dos atuais padrões de produção e consumo por modelos baseados numa sociedade sustentável, que não destruam o meio ambiente e resultem em maior justiça social.

15.11.04

JORNADA BRASIL-ESPANHA REÚNE MUSEÓLOGOS NO MAC DE NITERÓI



O Museu de Arte Contemporânea de Niterói realiza quinta e sexta-feira (18 e 19 de novembro de 2004) a Jornada Brasil-Espanha: Museus no Mundo Contemporâneo. O evento reúne profissionais do Brasil e da Espanha e coloca em discussão as reflexões e práticas de dois países inseridos no universo da latinidade, herdeiros e criadores de instituições e processos museológicos específicos. Inscrições gratuitas limitadas.



A Jornada Brasil-Espanha: Museus no Mundo Contemporâneo é uma das ações da Política Nacional de Museus, lançada em maio de 2003 pelo Ministério da Cultura do Brasil. Por meio do Departamento de Museus e Centros Culturais do IPHAN e em parceria com o Ministério da Cultura da Espanha, a Jornada foi criada para estabelecer maior intercâmbio entre os setores museológicos dos dois países com a proposta de estreitar as relações entre técnicos e promover futuras parcerias entre os museus.


o diálogo entre o singular e o universal apresenta-se como um desafio contemporâneo. Os temas abordados serão as políticas públicas nas áreas museológicas, as novas perspectivas na gestão de museus nacionais, a formação e atuação profissional, as políticas locais e regionais de museus, entre outros.


Foram convidados profissionais do Brasil e da Espanha para proferir as palestras. Da Espanha virão Marina Chinchilla Gómez, subdiretora geral de Museus Estatais; José Luis Diaz, subdiretor geral de pesquisas e conservação do Museu do Prado; Jesús Urrea, diretor do Museu Nacional da Escultura de Valladolid; Maria Bolaños, Universidade de Valladolid; Ana Carro Rossell, presidente da Associação de Museólogos da Espanha; Carmen Prats, chefe do Serviço de Museus de Catalunha. Os convidados brasileiros são José do Nascimento Júnior - diretor do Departamento de Museus e Centros Culturais do IPHAN; Vera Tostes - diretora do Museu Histórico Nacional; Telma Lasmar - presidente do Conselho Federal de Museologia; Mário Chagas - professor do programa de pós-graduação em Memória Social e da Escola de Museologia da UniRio e gerente do DEMU do IPHAN; Cícero Almeida - professor da Escola de Museologia da UniRio e coordenador técnico do Museu Nacional de Belas Artes; Simone Monteiro - coordenadora do Sistema Estadual de Museus do Rio Grande do Sul.



Programação



Dia 18



9 horas - Políticas Públicas nas Áreas Museológicas Comparativas Entre Brasil e Espanha - Maria Chinchilla e José do Nascimento Júnior



11 horas - Intervalo para almoço



14 horas - Gestão de Museus em Perspectiva - Letícia Ascue Brea, do Museu Nacional do Prado e Vera Tostes, do Museu Histórico Nacional.



16 horas - Coffee Break



16h30min - Mesa de Formação Profissional - Telma Lasmar, do Conselho Federal de Museólogos do Brasil e Ana Carro Rossell, da Associação Espanha de Museólogos.



Dia 19



9 horas - Museus, Uma Reflexão Histórica e Conceitual - Mario Chagas e Maria Bolanos



11 - Intervalo para almoço



14 horas - Papel dos Museus de Arte no Contexto Brasil-Espanha - Paulo Herkenhoff, do Museu Nacional de Belas Artes (Brasil), e Mercedes Morales Minero, do Museu Nacional Reina Sofia (Espanha).



16 horas - Coffee Break



16h30min - Papel das Políticas Regionais Para os Museus - Representantes do sistema de Museus da Catalunha e Simone Monteiro, do Sistema de Museus do Rio Grande do Sul.



Contato para entrevistas: Telma Lasmar > (21) 9295-1015



Jornada Brasil-Espanha: Museus no Mundo Contemporâneo

Datas: 18 e 19 de novembro de 2004 (quinta e sexta-feira)

Horário: 9 às 18 horas

ENTRADA FRANCA (inscrições limitadas)



Museu de Arte Contemporânea de Niterói

Mirante da Boa Viagem, s/n.º, Boa Viagem, (21) 2620-2400

www.macniteroi.com



12.11.04

Prorrogadas inscrições para atividades do Fórum Social Mundial



O prazo para inscrição de atividades (seminários, oficinas, painéis etc.) para o Fórum Social Mundial foi prorrogado para o dia 25 de novembro, às 18 horas (horário de Brasília).

O motivo da prorrogação foi a grande procura. Até o momento, mais de 1.800 eventos já foram inscritos por 2.731 organizações de mais de cem países.

As inscrições podem ser feitas por meio de um formulário disponível no site do Fórum: www.forumsocialmundial.org.br

As datas e os horários de realização das atividades propostas serão estabelecidos pelo Comitê Organizador do Fórum Social Mundial 2005 e divulgadas em meados de dezembro, tendo como referência a data sugerida pela entidade proponente.

11.11.04

Direto de Brasília: Museu Vivo da Memória Candanga comemora 19 anos

CONVITE
Venha fazer parte desta história...

PROGRAMAÇÃO DO 19ºANIVERSÁRIO


DIA: 12 / Nov. SEXTA FEIRA:

A partir das 19 horas – SHOW com:

OS NOVOS CANDANGOS
AVACALHANDO O VOCAL
BSB DISCO CLUB

SHOW PIROTÉCNICO

DIA: 13 / Nov. SÁBADO:

A partir das 13 horas:

EXPOSIÇÕES TEMÁTICAS
MOSTRA DE VÍDEOS
FEIRA DE ARTESANATO
GASTRONOMIA
ATIVIDADES E BRINCADEIRAS
PARA A GAROTADA

Às 18 horas-APRESENTAÇÃO da:

ORQUESTRA SINFÔNICA DO
TEATRO NACIONAL
ZÉ MULATO E CASSIANO
CASA DE FARINHA
SHOW PIROTÉCNICO

DIA: 14 / Nov. DOMINGO:

A partir das 13 horas:

EXPOSIÇÕES TEMÁTICAS
MOSTRA DE VÍDEOS
FEIRA DE ARTESANATO
GASTRONOMIA
ATIVIDADES E BRINCADEIRAS
PARA A GAROTADA

Às 18 horas – SHOW COM:

JUANITO E BANDA
CHORO LIVRE
JOE BAND
SHOW PIROTÉCNICO

ENTRADA FRANCA

Informações: (61) 301.3590
memoriacandanga@terra.com.br

Setor de Postos Sul – Conj. HJKO – Lote D
Entrada para o Núcleo Bandeirante

9.11.04

Fórum Social Nordestino busca voluntários (dê um toque pra galera com disposição!)



O Comitê de Organização do primeiro Fórum Social Nordestino convida voluntários para trabalharem no evento, que será realizado de 24 a 27 de novembro, em Recife (PE).

Todos as atividades relacionadas à infra-estrutura, como tradução, relatoria, intérpretes e recepcionistas, será feito por voluntários. As inscrições podem ser feitas no endereço www.forumsocialnordestino.org.br

7.11.04

Arte contemporânea britânica e brasileira, no MAC de Niterói

STILL LIFE / NATUREZA-MORTA


O British Council e o Museu de Arte Contemporânea de Niterói apresentam as exposições Still Life e Natureza-Morta, com novas abordagens de um dos mais tradicionais gêneros da história da arte ocidental por artistas britânicos e brasileiros.

A natureza-morta é um dos gêneros mais conhecidos da história da arte ocidental e ao mesmo tempo um dos mais banalizados. O conceito de natureza-morta tem muitas implicações culturais e sócio-históricas, que são explorados nesta mostra, de acordo com suas subdivisões e enfoques culturais.

Sob a curadoria de Ann Gallagher, do British Council de Londres, e de Kátia Canton, do Museu de Arte Contemporânea da USP, as exposições serão apresentadas no Museu de Arte Contemporânea de Niterói, de 21 de novembro de 2004 a 27 de fevereiro de 2005. Na véspera, dia 20, durante a abertura para convidados, as duas curadoras darão uma palestra ao lado do artista britânico Roger Hiorns e do brasileiro Luis Zerbini.



STILL LIFE



Still Life lança um olhar amplo sobre os muitos temas e idéias implícitos no assunto natureza-morta e reúne obras de vários artistas contemporâneos britânicos, muitas pertencentes ao acervo do British Council, apresentando um panorama exuberante através de diversos meios expressivos - pintura, gravura, desenho, instalação, vídeo, fotografia, escultura. As gerações apresentadas incluem desde jovens artistas até personalidades como Patrick Caulfield.

Como a própria natureza-morta, a exposição não aspira ser vista como mostra estática ou aula hermeticamente fechada sobre o objeto. Ela foi concebida pelo British Council com a intenção de oferecer uma proposta aberta a cada país em que é apresentada. O objetivo é estruturá-la como uma mostra conjunta, ao lado ou integrada à produção de artistas locais possibilitando discussões e investigações.

Os artistas britânicos que participam da Still Life não se consideram praticantes contemporâneos da natureza-morta, mas guardam em comum uma conexão com as premissas básicas desse gênero. Para alguns, o que fascina é a relevância contemporânea de seu arranjo formal e suas justaposições; para outros, seus temas e simbolismos ultrapassados oferecem recurso útil para pesquisa pessoal. Para muitos, o status de objeto do cotidiano ou de material comum continua sendo objeto de observação e investigação, deslocamento ou interação.

As 35 obras da exposição procuram investigar as diversas imagens tradicionais de natureza-morta e abarcam uma diversidade de estilos e buscas estéticas que surgiram na Grã-Bretanha nos últimos anos, que vão desde trabalhos realizados com os meios mais tradicionais, como as pinturas de Patrick Caulfield e do grupo Bank, até os labirintos escultóricos de Mike Nelson. Suas composições e objetos representam a evolução do gênero, apresentando uma visão contemporânea.

Os artistas britânicos participantes da Still Life são: Anna Barribal, Anne Katrine Dolven, Christina Mackie, Emma Kay, Gary Webb, Grupo Bank (Simon Bedwell, John Russell, Milly Thompson), Jane Simpson, John Riddy, Martin Boyce, Mike Nelson, Nigel Cooke, Patrick Caulfield, Rebecca Warren, Richard Wentworth, Roger Hiorns, Simon Starling e Wood and Harrison.



NATUREZA-MORTA



A mostra Natureza-Morta une 33 artistas brasileiros contemporâneos que recuperam a natureza-morta de múltiplas formas, utilizando o gênero em seus diversos aspectos e reúnem 40 obras às dos artistas britânicos em torno dos seguintes módulos: recipientes, comida, flores e morte.

A reunião de uma amostragem de obras enfocando o conceito dos objetos ao alcance da mão incita a discussão sobre o modo como nos apropriamos desses objetos, de suas vidas e de suas mortes, de suas possibilidades de serem combinados, manipulados, silenciados e imobilizados, de aludirem a tempos e espaços da memória. A aparente banalidade da natureza-morta como gênero é justamente o que lhe dá um caráter ontológico. O jogo realizado pelos artistas a partir do uso de objetos cotidianos, confere à natureza-morta uma potência transformadora. A natureza-morta se torna coringa para mesclar-se às mais densas questões que tangenciam a existência humana.

Os artistas brasileiros presentes na exposição Natureza-Morta são: Alex Flemming, Antonio Henrique Amaral, Beatriz Milhazes, Beth Moyses, Cristina Rogozinski, Elias Muradi, Ernesto Netto, Fátima Nader, Flávia Ribeiro, Geórgia Kyriakakis, Guto Lacaz, Iran do Espírito Santo, Jac Leirner, Júlio Schmidt, Laura Vinci, Leda Catunda, Luiz Zerbini, Marcia Xavier, Nina Moraes, Nina Moraes, Paulo Buenoz, Paulo Climachauska, Pazé, Regina Carmona, Regina Silveira, Regina Vater, Sandra Tucci, Shirley Paes Leme, Silvia Mecozzi, Valeska Soares e Vicente de Mello.

Exposição Still Life/Natureza-Morta

Abertura: 20 de novembro de 2004 (sábado), às 16 horas - Palestra com as curadoras Ann Gallagher e Kátia Canton e com os artistas Roger Hiorns e Luis Zerbini; às 18 horas - coquetel de abertura

Visitação: 21 de novembro de 2004 a 27 de fevereiro de 2005

Horário: de terça a domingo, das 11 às 18 horas.

Horário de verão: de terça a domingo, das 11 às 19 horas.

(a bilheteria fecha 15 minutos antes das salas de exposição)

Ingresso: R$4,00; estudantes com carteira e adultos acima de 60 anos: R$2,00; crianças até 7 anos: grátis; aos sábados a entrada é franca.



Museu de Arte Contemporânea de Niterói

Mirante da Boa Viagem, s/n.º, Boa Viagem, Niterói, RJ, tel.: (21) 2620-2400

www.macniteroi.com



6.11.04

Prêmios da Mostra Nacional Competitiva de Vídeo do XI Vitória Cine Vídeo

Olha o resultado aí!
Waldir Barreto, da comissão de premiação, enviou para os leitores da Revista Eletrônica:


melhor ficção
Sexo com objetos inanimados (GO)
Érico Rassi

melhor documentário
Paola (PB)
Eduardo Chaves

melhor vídeo-clip
She-Ra(PE)
Lourival Batista e Daniela Brilhante

melhor vídeo-arte
Mais uma inexistência sempre viva da continuidade aguardando a repetição da inércia no tempo da vegetação da memória (MG)
Cristina Maure e Bruno Crepaldi


prêmio quanta
Dores e odores (ES)
Jefinho Pinheiro e Patrick Tristão

1a menção honrosa
Free Williams (ES)
Elisa Queiroz

2 a menção honrosa
Futuro do Brasil (MG)
Daniel Veloso



Comissão de Premiação de Vídeo do XI Vitória Cine Vídeo

Ailton Franco Jr.
Tati Rabelo
Waldir Barreto

5.11.04

Brasil que a gente não conhece



As duas semanas em Manaus foram interessantes para conhecer um Brasil um
pouco diferente, mas chegando em Boa Vista (RR) não pude resistir a fazer
um relato das coisas que tenho visto e escutado por aqui.

Conversei com algumas pessoas nesses três dias, desde engenheiros até pessoas com um mínimo de instrução. Para começar o mais difícil de se encontrar por aquié roraimense, pra falar a verdade, acho que a proporção é de um
roraimense para cada 10pessoas é bem razoável, tem gaúcho, carioca, cearense, amazonense,piauiense, maranhense e por aí vai.

Portanto falta uma identidade com a terra. Aqui não existem muitos meios
de sobrevivência, ou a pessoa é funcionária pública, e aqui quase todo
mundo é, pois em Boa Vista se concentram todos os órgãos federais e
estaduais de Roraima, além da prefeitura é claro.

Se não for funcionário público a pessoa trabalha no comércio local ou recebe ajuda de programas do governo. Não existe indústria de qualquer tipo. Pouco mais de 70% do território roraimense é demarcado como reserva indígena portanto restam
apenas 30%, descontando-se os rios e as terras improdutivas que são
muitas, para se cultivar a terra ou para a localização das próprias
cidades.

Na única rodovia que existe em direção ao Brasil (liga Boa Vista a
Manaus, cerca de 800km) existe um trecho de aproximadamente 200 km
reserva indígena Waimiri Atroari) por onde você só passa entre 6:00 da
manhã e 6:00 da tarde, nas outras 12 horas a rodovia é fechada pelos
índios (com autorização da FUNAI e dos americanos) para que os mesmos não
sejam incomodados.

Detalhe:
Você não passa se for brasileiro, o acesso é livre aos americanos,
europeus e japoneses. Desses 70% de território indígena, diria que em 90%
dele ninguém entra sem uma grande burocracia e autorização da FUNAI.

Detalhe:
Americanos entram na hora que quiserem, se você não tem uma autorização
da FUNAI mas tem dos americanos então você pode entrar. A maioria dos
índios fala a língua nativa além do inglês ou francês, mas a maioria não
sabe falar português. Dizem que é comum na entrada de algumas
reservas encontrarem-se hasteadas bandeiras americanas ou inglesas.

É comum se encontrar por aqui americanos tipo nerds com cara de quem não
quer nada, que veio caçar borboleta e joaninha e catalogá-las, mas no
final das contas, pasmem, se você quiser montar um empresa para exportar
plantas e frutas típicas como cupuaçu, açaí camu-camu etc, medicinais, ou
componentes naturais para fabricação de remédios, pode se preparar para
pagar "royalties" para empresas japonesas e americanas que já patentearam
a maioria dos produtos típicos da Amazônia...

Por três vezes repeti a seguinte frase após ouvir tais relatos: É, os americanos vão acabar tomando a Amazônia e em todas elas ouvi a mesma resposta em palavras diferentes.

Vou reproduzir a resposta de uma senhora simples que vendia suco e água na rodovia próximo de Mucajaí: "Irão não minha filha, tu não sabe mas tudo aqui já é deles, eles comandam tudo, você não entra em lugar nenhum porque eles não deixam. Quando acabar essa guerra aí elesvirão pra cá, e vão fazer o que fizeram no Iraque quando determinaram um faixa para os curdos onde iraquiano não entra, aqui vai ser a mesma coisa". A dona é bem informada não? O pior é que segundo a ONU o conceito de nação é um conceito de soberania e as áreas demarcadas têm o nome de nação indígena.

O que pode levar os americanos a alegarem que estarão libertando os povos indígenas. Fiquei sabendo que os americanos já estão construindo uma grande base militar na Colômbia, bem próximo da fronteira com oBrasil numa parceria com o governo colombiano com o pseudo objetivo de combater o narcotráfico. Por falar em narcotráfico, aqui é rota de distribuição pois essa mãe chamada Brasil mantem suas fronteiras abertas e aqui tem estrada para as Guianas e Venezuela. Nenhuma bagagem de estrangeiro é fiscalizada, principalmente se for americano, europeu ou japonês, (isso pode causar um incidente diplomático)...

Dizem que tem muito colombiano traficante virando venezuelano, pois na Venezuela é muito fácil comprar a cidadania venezuelana por cerca de 200 dólares.
Pergunto inocentemente às pessoas; porque os americanos querem tanto
proteger os índios. A resposta é absolutamente a mesma, porque as terras
indígenas além das riquezas animais e vegetais, da abundância de água são
extremamente ricas em ouro (encontram-se pepitas que chegam a ser pesadas
em quilos), diamante, outras pedras preciosas, minério e nas reservas
norte de Roraima e Amazonas, ricas em PETRÓLEO.

Parece que as pessoas contam essas coisas como que num grito de Socorro a
alguém que é do sul, como se eu pudesse dizer isso ao presidente ou a
alguma autoridade do sul que vá fazer alguma coisa. É pessoal, saio daqui
com a quase certeza de que em breve o Brasil irá diminuir de tamanho. Um
grande abraço a todos.
Será que podemos fazer alguma coisa???
Acho que sim.
Repasse esse e-mail para que um maior número de brasileiros fique
sabendo
desses absurdos..
Mara Silvia Alexandre Costa
Depto de Biologia Cel. Mol. Bioag. Patog.

FMRP - USP



4.11.04

Prêmio Portugal Telecom de Literatura Brasileira

Nos últimos meses, o meio literário vem sendo agitado pelas discussões em torno do mais valioso prêmio literário brasileiro, o Prêmio Portugal Telecom de Literatura Brasileira.



Na noite desta terça-feira, dia nove de novembro, em cerimônia a ser realizada na Sala São Paulo, na Estação Júlio Prestes, em São Paulo, serão conhecidos os três grandes vencedores da segunda edição do prêmio que receberão R$ 100 mil, R$ 30 mil e R$ 20 mil, respectivamente 1º, 2º e 3º lugares.



Os três vencedores serão escolhidos entre as dez obras finalistas (veja relação abaixo) pelos seguintes jurados: Luiz Costa Lima, Regina Zilberman, Antonio Carlos Secchin, Flávio Loureiro Chaves e Hildeberto Barbosa, além dos cinco membros da Comissão Artística do Prêmio: Beatriz Resende, Cristovão Tezza, Fábio Lucas, Florisvaldo Mattos e Manuel da Costa Pinto.


Este ano a cerimônia de entrega do prêmio trará a atriz Maria Fernanda Cândido e o jornalista Nelson Motta como mestres de cerimônia. Eles comandarão um espetáculo em homenagem a Vinícius de Moraes com show de Carlos Lyra e Olívia Byington. A direção artística fica a cargo de Roberto Lage. A ceia será do Buffet Fasano.

OS DEZ FINALISTAS



Bangalô, de Marcelo Mirisola – Editora 34

Budapeste, de Chico Buarque – Companhia das Letras

Céu de lona, de Décio Pignatari – Travessa dos editores

Geografia íntima do deserto, de Micheliny Verunschk – Landy

Macau, de Paulo Henriques Britto – Companhia das letras

A Margem imóvel do rio, de Luiz Antonio de Assis Brasil – L&PM

Memórias inventadas – a infância, de Manoel de Barros - Planeta

Mongólia, de Bernardo Carvalho – Companhia das Letras

Não Poemas, de Augusto de Campos – Perspectiva

O vôo da madrugada, de Sérgio Sant’Anna – Companhia das Letras




3.11.04

Nelson Motta lança "Bandidos e Mocinhas", em Brasília


O compositor e escritor NELSON MOTTA é o próximo convidado do Projeto "Sempre Um Papo". Ele participa de debate e lança o oromance policial "Bandidos e Mocinhas" (Ed. Objetiva) dia 8 de novembro, segunda-feira, às 19h30, no Conjunto Cultural da CAIXA, em Brasília, com entrada franca.

Fã de carteirinha dos livros de suspense, Nelson Motta constrói um enredo de secretas perversões e paixões mortais, no qual bandidos se apaixonam e mocinhas cumprem impiedosamente as leis do desejo. "Bandidos e Mocinhas" é o segundo romance do autor, que estreou na ficção com "O Canto da Sereia". Ele também é autor de "Noites Tropicais", "Confissões de um Torcedor" e "Nova York é Aqui".

Nelson Motta é jornalista, produtor, diretor artístico, compositor e crítico musical. Como compositor, tem parcerias com Lulu Santos, Rita Lee, Djavan, entre outros. Produziu discos, criou casas noturnas e lançou novos nomes no cenário musical como As Frenéticas e Marisa Monte.

Em tempo: o "Sempre Um Papo" tornou-se um programa, gravado pela Radiobrás / TV Câmara, exibido sempre aos sábados, às 19h, com reprise aos domingos, às 14h30 e 03h: Dia 30/10 - Nélida Piñon; Dia 13/11, Marina Colasanti; Dia 27/11 - Drauzio Varella e Dia 11/12, Lya Luft.

Serviço:

DIA 8 DE NOVEMBRO DE 2004, SEGUNDA-FEIRA ÀS 19H30
LOCAL: TEATRO DA CAIXA
SETOR BANCÁRIO SUL QUADRA 4, LOTE 3 / 4 EDIFÍCIO ANEXO À MATRIZ
GERENTE DO CONJUNTO CULTURAL: SÔNIA SCHUITEK
ENTRADA FRANCA - INGRESSOS NÃO NUMERADOS
OS INGRESSOS (GRATUITOS) PODERÃO SER RETIRADOS NA BILHETERIA DO TEATRO NO DIA 8 DE NOVEMBRO, A PARTIR DE 18H30
BILHETERIA: 414-6456; RECEPÇÃO 414-9448; ADMINISTRAÇÃO 414-9450
ASSESSORIA DE IMPRENSA: CELINA MARYIA E LUIZA RABELLO (9958-9955 E 414-6898)


2.11.04

Feira do Livro de Porto Alegre lança novos autores

Lançamentos demonstram a vitalidade da literatura contemporânea, no Brasil. Durante a edição cinqüentenária da Feira de Porto Alegre, nove escritores gaúchos vão lançar novos livros pela Editora Record e participarão de palestras e sessões de autógrafos.


Entre os lançamentos, destacam-se: Arquitetura do arco-íris e Duas iguais, de Cíntia Moscovich; Um farol no Pampa, de Leticia Wierzchowski; O nosso juiz, de Marcelo Carneiro da Cunha; Estudo das teclas pretas, de Luiz Paulo Faccioli; Travessia da Amazônia, de Airton Ortiz; O descompasso entre as nações, de Paulo Vizentini; Getúlio, de Juremir Machado da Silva; O dia em que Getúlio matou Allende, de Flávio Tavares; e Histórias de Bruxa Boa, de Lya Luft – livro recém-lançado que já está entre os mais vendidos.